Últimas notícias
Sejel realizou final da Bocha em Canarana| Projeto Cegonha entrega 4° kit de bebê para gestante de Gaúcha do Norte| Aconteceu em Nova Nazaré nos dias 18 e 19 de Outubro, na Secretaria de Assistência Social, a IV Conferência Municipal dos Direitos da Criança e Adolescente| Pastor Chris Duran impactou centenas de pessoas com seu testemunho| Prefeitura de Nova Xavantina abre inscrições para seletivo nesta segunda, 22|
Notícias - Saúde

10 de Outubro de 2018 ás 10:24:07

O homem nasceu para ficar sentado?

Pesquisa da Universidade de Genebra mostra que cérebro, incentivado por comportamento ancestral, incita ser humano à lei do menor esforço, evitando os exercícios.

Foto por: StockSnap/Pixabay

Os benefícios da atividade física são incontestáveis, mas quem nunca pulou o dia da ginástica por pura preguiça? Segundo dados da OMS (Organização Mundial da Saúde), no mundo todo, 30% dos adultos (50% na Europa) e 80% dos adolescentes se consideram sedentários. Entram nessa categoria pessoas que se exercitam de forma moderada menos de 2h30 por semana.

Um grupo de pesquisadores da Universidade de Genebra, que estuda os mecanismos cerebrais que gerenciam os chamados comportamentos saudáveis, se interessou pelo tema. Em maio deste ano, os cientistas convocaram 29 jovens estudantes de ambos os sexos, na mesma proporção, decididos a manter uma atividade física regular, para descobrir como o cérebro influencia essa decisão.

O resultado foi surpreendente: eles descobriram que nosso cérebro envia sinais ao organismo para que ele economize energia, ou seja, evite a atividade física. Os pesquisadores acreditam que nossa mente reproduz um reflexo ancestral, surgido nos primórdios da humanidade. Como o homem gastava muita energia para buscar comida e enfrentava temperaturas extremas, a imobilidade era uma proteção para guardar calorias.

Os tempos mudaram, mas esse mecanismo atrapalharia, inconscientemente, a decisão de ir para a academia. A RFI Brasil entrevistou com exclusividade o psicólogo Boris Cheval, um dos autores do estudo, que preconiza maneiras de “driblar” essa tendência cerebral para colocar em prática a intenção de se exercitar.

“Com as campanhas, percebemos que as pessoas desenvolveram a intenção de se tornar fisicamente ativos. Eles são conscientes de que os exercícios fazem bem para a saúde", diz. "Mas há uma defasagem entre o investimento feito para desenvolver a intenção das pessoas em se exercitar e a realidade, que mostra que, na prática, as pessoas não são mais ativas”, declara.

A equipe do pesquisador suíço partiu então do princípio de que a intenção de fazer exercícios existe, mas não se concretiza, o que os cientistas batizaram de “paradoxo da atividade física”. O estudo é inédito porque constatou que, para passar à ação, o homem precisa inibir uma tendência comportamental, constatada em nível neuronal, que o incita ao sedentarismo.

“Encontramos dois sinais: um que materializa essa inibição e o outro que gerencia esse conflito. Em resumo, conseguimos inibir essa tendência ao sedentarismo, mas isso exige um esforço importante”, explica o psicólogo.

Traumas na infância dificultam gestão de pulsões cerebrais

Capacidades individuais poderiam inibir esse comportamento ancestral? Segundo Cheval, há quem tenha uma melhor capacidade de driblar essa tendência, mas ela não seria de ordem genética. “O que é claro é que existe uma interação entre a predisposição genética e o meio ambiente. Essa interação e essa sinergia podem levar algumas pessoas a desenvolverem o auto-controle que resiste à pulsão de evitar o esforço”, diz.

O pesquisador suíço, que também estuda a desigualdade nos comportamentos saudáveis durante a infância, descobriu, por exemplo, que os traumas vividos nesse período vão afetar o sistema de regulação do stress e o auto-controle. Infelizmente, esse sistema, afirma, dificilmente volta ao normal na idade adulta, porque eventos traumáticos, mesmo precoces, modificam a plasticidade cerebral de resposta à pressão.

“Fomos concebidos, do ponto de vista motor e biológico, para minimizar os esforços. Essa minimização era muito importante nas sociedades ancestrais, mas hoje é o contrário. Houve uma mudança social brusca e nosso sistema cerebral esta em desacordo com essa mudança. Somos levados a nos mexer menos, mas deveríamos aumentar nossos gastos energéticos”.

Sistema da recompensa

O pesquisador lembra que, quando o homem consegue vencer seu inconsciente e exercitar-se regularmente, o organismo secreta hormônios como a dopamina, que ativam o circuito da recompensa cerebral, provocando a sensação de prazer, que vai também incitar a regular. O prêmio para quem consegue vencer a tentação de pular o dia da academia.

 

Fonte: Por RFI

O Portal não se responsabiliza pelos comentários aqui postados!