Últimas notícias
Processo Seletivo Prefeitura de Canarana| Aconteceu nesta última quarta-feira à conferência municipal dos direitos da criança e do adolescente de Canarana, com o tema “Proteção Integral, Diversidade e Enfrentamento das Violências”.| Com sabor de doce típico cuiabano, cerveja artesanal ganha prêmio no Chile| Abertas inscrições para treinamento em Classificação de Grãos Soja e Milho| Sindicato Rural e Prefeitura realizam Cine Senar em Gaúcha do Norte|
Notícias - Norte Araguaia

09 de Fevereiro de 2018 ás 15:15:46

PARQUE DO XINGU: Baiano Filho intermedeia demandas entre Estado e Kaiapós

Baiano chegou a propor que as aldeias definissem uma única área para plantio, e que neste espaço o Estado pudesse auxiliar no preparo das terras.

Foto por: Deputado Estadual Baiano Filho/PSDB

O deputado Estadual Baiano Filho e o secretário Chefe da Casa Civil Max Russi se reuniram com o cacique Raoni Metuktire e representantes da etnia Kaiapó para discutir a implantação de melhorias ligadas à manutenção das comunidades localizadas no Parque Nacional do Xingu,  região Araguaia.

Entre as demandas, os lideres indígenas solicitaram ao Governo do Estado apoio logístico para a mudança da Aldeia Piaraçu para cerca de dois quilômetros do local atual, ainda dentro do Parque Indígena do Xingu. A mudança tem o objetivo de resguardar a segurança da população, especialmente das crianças. O pedido se deve ao crescimento do trânsito nas estradas vicinais próximas a aldeia.

Os indígenas também pediram ao Estado que execute a abertura de uma estrada de 30 km de extensão garantindo o acesso de uma das aldeias até a rodovia MT-322. Segundo os representantes, o único acesso à comunidade se dá pelo rio Jarinã, o que dificulta o transporte de crianças e idosos, como também a entrada e saída de alimentos na aldeia. Baiano pediu prudência ao cacique quanto à possibilidade de abertura da estrada, sendo preciso iniciar o processo para licenciamento ambiental junto ao IBAMA e a FUNAI. “Temos que ter prudência, a abertura de uma estrada envolve desmatamento, retirada de cascalho entre outras providencias, e por estar dentro da reserva indígena é preciso tramitar o licenciamento junto aos órgãos responsáveis”, orientou Baiano ao defender que o cacique dê início aos projetos, para que então, o Estado possa auxiliar nos trâmites necessários.

A definição de uma alternativa para substituir o uso do fogo na limpeza de áreas produtivas, como roças e lavouras, também discutida com o Estado. Os indígenas explicaram que as aldeias Piaraçu, Capoto e Metuktire concentram a maior produção de alimentos em toda a reserva, e que o registro excessivo de focos de calor em períodos de plantio gerou preocupação aos órgãos ambientais, que proibiram a prática nas comunidades. Para tanto, os indígenas pediram o apoio do Estado para o fornecimento de maquinários e equipamentos para a limpeza mecanizada das lavouras.

 Baiano chegou a propor que as aldeias definissem uma única área para plantio, e que neste espaço o Estado pudesse auxiliar no preparo das terras, a exemplo do trabalho já desenvolvido por Baiano junto a Reserva Pimentel Barbosa, em Ribeirão Cascalheira, onde as 13 aldeias elegeram uma área principal para plantio e posterior distribuição dos alimentos. Neste formato, Raoni definiu que os plantios sejam concentrados na aldeia Piaraçu, às margens da MT-322, o que garantirá fácil acesso para entrada/saída de insumos e maquinários. O secretário Max Russi, que conduziu o diálogo garantiu que envolverá a Secretaria de Agricultura Familiar na viabilidade da demanda. 

Quanto à pavimentação da MT-322/BR-080, que liga Matupá à Confresa, Baiano explicou que a ansiedade das comunidades indígenas pelo asfalto é tão grande quanto à vontade dos produtores e usuários da travessia na região. Mesmo já licitada, a pavimentação da rodovia ainda depende dos estudos indígenas e ambientais, que deverão ser formalizados durante audiências públicas em cada uma das 17 aldeias que compõem o parque, para somente então as licenças serem homologadas pelos órgãos federais.

Baiano acrescentou que apesar da relevância econômica da rodovia, que corta o Parque do Xingu no sentido leste/oeste, ele ainda vê como distante o início das obras. “Temos trabalhado insistentemente com o Estado para manter a trafegabilidade da rodovia, principalmente nos períodos mais críticos para a retirada da safra, temos cumprido nosso papel de garantir o trafego, e apesar de participarmos de todas as tratativas que envolvem o início das pavimentações, precisamos ser realistas ao avaliar que ainda faltam etapas importantes a serem cumpridas”, concluiu Baiano.   

Na audiência, também ficou definido os tramites para a construção de uma Escola Indígena na Aldeia Capoto, em Peixoto de Azevedo.

 

Fonte: Naiara Martins - Deputado Estadual Baiano Filho/PSDB

O Portal não se responsabiliza pelos comentários aqui postados!