Últimas notícias
Em alusão ao dia do Índio, Xavantes fecham rodovia e cobram pedágio em MT| Buscador Viajala é o 1° do Brasil a incluir a companhia aérea mato-grossense Asta| Secretaria de assistência social – Curso de Manicure gera oportunidade e renda em Água Boa| Canarana tem 80 pacientes em tratamento contra a Hanseníase| Canarana: veja inscrições homologadas para fisioterapeuta|
Notícias - Agronegócios

15 de Abril de 2019 ás 08:57:35

Aneel aprova reajuste de 11,29% na conta de energia elétrica desde o dia 08/04

Segundo Riberto José Barbanero, diretor-presidente da Energisa Mato Grosso, o aumento na distribuição foi inferior ao aumento da inflação em 2018. “

Foto por: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou nesta terça-feira (2), o índice de reajuste tarifário da Energisa Mato Grosso em 11,21% para as residências e 11,49% para as indústrias. O efeito médio para o consumidor é de 11,29% e começa a valer a partir da próxima segunda-feira, 8 de abril. O reajuste anual é um processo regulado pela Aneel e está previsto no contrato de concessão da empresa. A distribuidora fornece energia para 1,4 milhão de unidades consumidoras localizadas no estado do Mato Grosso

Os contratos apresentam regras bem definidas a respeito das contas de luz, bem como a metodologia de cálculo dos reajustes. Pela norma, o valor da tarifa poderá ser reajustado anualmente, o chamado Reajuste Tarifário Anual, e a cada cinco anos no processo de Revisão Tarifária Periódica.

Para o calcular o reajuste, conforme estabelecido no contrato de concessão, a Agência considera a variação de custos associados à prestação do serviço. O cálculo leva em conta a aquisição e a transmissão de energia elétrica, bem como os encargos setoriais. O reajuste da Energisa Mato Grosso foi impactado pelo aumento dos custos de aquisição de energia, como por exemplo, da Usina Hidrelétrica de Itaipu que é precificada em dólar.

Entenda

A conta de energia elétrica é dividida em duas parcelas. A parcela 'A' inclui os custos com encargos setoriais, transporte e compra de energia, que são alheios à distribuidora – no caso, a Energisa Mato Grosso. Já a Parcela ‘B’ inclui os cursos gerenciáveis diretamente pela distribuidora local.

O cálculo do reajuste de 2019 veio na seguinte porcentagem: 0,13% a mais no transporte, 10,45% a mais na compra de energia e 2,31% a menos nos encargos setoriais (parcela A) e aumento de 3,02% na distribuição (parcela B, responsabilidade da Energisa Mato Grosso). Essa ‘diminuição’ de 2,03% nos encargos setoriais está relacionada à quitação antecipada de uma dívida, que deveria ser paga somente em abril de 2020.

Segundo Riberto José Barbanero, diretor-presidente da Energisa Mato Grosso, o aumento na distribuição foi inferior ao aumento da inflação em 2018. “Os 3% [de aumento] da distribuição tem que financiar nossas despesas operacionais, e todo investimento que a gente faz em melhorias de qualidade. Pra isso nós temos pessoal trabalhando, compra de material em grande volume, pagamento de fornecedores que prestam serviços pra nós”, explica. “A gente teria até um percentual maior, que seria algo em torno de 4%, que está dando na inflação. Mas a gente consegue uma melhor eficiência operacional, então esse quase 1% abaixo da inflação vem da eficiência da empresa”.

Sobre o grande ‘responsável’ pelo aumento da conta, a ‘compra da energia’, ele complementa: “Cada vez mais os nossos reservatórios estão sentindo no nível de água o maior consumo e aumento de demanda por energia elétrica, isso tem gerado a necessidade de mais usinas termelétricas entrarem na produção pra poder suportar toda essa carga que vem sendo demandada no Brasil, porque isso é uma malha única no Brasil, não é exclusividade de Mato Grosso. Com essa demanda aumentando no Brasil e a necessidade de incluir usinas termelétricas a diesel, com o preço do derivado do petróleo, tem colocado o custo de produção de energia muito maior, e que nós temos que apresentar na nossa conta pros clientes, embora a gente não fique com um centavo disso”.

Na prática, o valor que se paga na conta de luz é dividido em média em 31,28% para a geração de energia, 4,13% na transmissão, 39,66% para impostos (governo federal, estadual e municipal) e 24,93% na distribuição (responsabilidade da Energisa). É possível ver este valor no boleto, logo abaixo do ‘total a pagar’.

 

Fonte: Thaís Fávaro/Isabela Mercuri - Agro Olhar & Negócios

O Portal não se responsabiliza pelos comentários aqui postados!